sábado, 17 de maio de 2014

Marina Colasanti marca presença na 8ª Bienal em Campos



 Ontem tive o privilégio de ouvir e me reencantar  com Marina Colasanti.
   Entre alguns contos,tive o privilégio de ler Ana Z,aonde vai você?, da autora,o que me impulsionou a ler o livro foi uma resposta que ela deu em entrevista com Antonio Carlos Oliviere para a edição do livro;quando o entrevistador  perguntou à autora se era era possível fazer uma aproximação da obra com o clássico Alice no país das maravilhas de Lewis Carrol ,ela respondeu"Foi bom você fazer essa pergunta,porque me permite responder antecipadamente a um comentário inevitável.As pessoas gostam de se reportar ao que já conhecem,e o fato de Ana fazer uma viagem a partir de uma descida pode bastar para remetê-las a Alice.Mas há diferenças fundamentais,diferenças de conceito e de momento social.Alice cai na toca,Ana não cai,ela escolhe descer,ir ao fundo.Alice é levada pelos acontecimentos.Ana realiza uma busca voluntária,vai atrás do seu desejo.Alice acorda tudo foi um sonho.Ana não precisa acordar,porque não sonhou.Ana renasce ao término da viagem,passa,como em um parto simbólico,da infância à adolescência.Ana cresceu na viagem.Minha intenção foi escrever uma novela de formação,cheia de fatos,quase como um videoclipe".
   Como eu não me despertaria para esta leitura?Amo a literatura Infantil e juvenil brasileira e para mim ,ela junto com  Monteiro Lobato,Lygia Bonjuga,Silvia Orthof , Ruth Rocha e Ana Maria Machado é a base para formação de leitores que mudarão o mundo,e eu como promotora de leitura na Escola Municipal Santa Maria sempre procuro motivar os leitores para leitura como estas.

Luiz Antonio Barros hoje na 8ª Bienal do livro em Campos


 " O professor Luiz Antonio Barros,da Academia Niteroiense de Letras,um filósofo que nadou em largas braçadas pelo vocabulário  inusitado e pelas criações surpreendentes de José Cândido de Carvalho,com o seu universo de coronéis,bergantins e mafagafes,estará me Campos hoje na 8ª Bienal do livro .O livro  inaugura  as comemorações do nascimento de JCC,registrado em 2014.
 

  

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Considerações sobre a 8ª Bienal do Livro em Campos.


Estou aqui pensado nos meus amados professores da Escola Municipal Santa Maria,pois eles tem sido meu braço direito agindo como promotores de leitura.A Biblioteca da Escola Municipal Santa Maria está funcionando há 2 meses e meio e para minha alegria e realização ,foram mais de 1600 empréstimos de livros,no entanto os alunos que mais frequentaram a biblioteca foram convidados para participarem da 8ª Bienal do Livro.Agendamos 2 ônibus para o dia 22,onde levaremos 100 alunos.Os professores que nos acompanharão moram à uma distância de 3 horas e meia do município,terminam de lecionar às 17:00 horas e no entanto se dispuserem à ir até Campos para pegar os tiquetiques terão que pegar o ônibus às 18:00 horas ,chegando à Campos depois do horário do último ônibus de volta.É muito desestimulante acompanhar os alunos até a bienal não podendo utilizar os tiquetiques para a compra de livros.Estive na Secretaria de Educação,tentei conversar mas nada consegui, então aqui estou em rede social criticando sim aos organizadores do evento que não pensaram com carinho na gente que mora na zona rural e reclamando pois nos tiraram a oportunidade de usufruirmos de nosso direito,outorgado em lei pela Prefeita Rosinha e bom seria se este depoimento chegasse até aos organizadores e daí quem sabe eles resolveriam abrir um espaço na bienal para atender a esses professores que moram na zona rural,lembrando ainda que a maioria tem duas matriculas não podendo também irem pela manhã.Tínhamos negociado uma van para levar alguns professores na palestra de Marina Colasanti ,Nélida Pilon e Martinho da Vila ,mas da maneira como os organizadores pensaram, nos prejudicou e muito,digo até que fomos ignorados e também os animadores culturais,pois foi negado a estes o direito aos tíquetes Quem puder ajuda!!!!Crendo no impossível!

Hilda Helena Raymundo Dias -Escola Municipal Santa Maria.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Sociedade Blog: PREFEITURA DIVULGA PROGRAMAÇÃO DA BIENAL DO LIVRO

Sociedade Blog: PREFEITURA DIVULGA PROGRAMAÇÃO DA BIENAL DO LIVRO: Do:http://www.campos.rj.gov.br/ A programação da 8ª edição da Bienal do Livro de Campos – Leitura que muda o mundo, onde o homenageado ...

8ª Bienal do livro em Campos

   

  O evento acontece entre os dias 16 e 25 de maio, no Centro de Eventos Populares Osório Peixoto (Cepop) e vai homenagear o escritor campista José Cândido de Carvalho,que foi um advogado,jornalista e escritor brasileiro,mais conhecido como o autor da obra "O Coronel e o lobisomem" e também em 1974 foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira 31.Acho maravilhoso o campista ser homenageado,mas sendo professora da rede municipal não escondo a frustração dos professores e alunos não poder contar com o seu acervo literário nas bibliotecas escolares do município,o que dificulta bastante o aprofundamento e um trabalho paralelo ao evento.
   Fui informada através do site da  prefeitura que a bienal contará com a participação do cantor Martinho da Vila na abertura da programação ,, assim como, alguns nomes da literatura brasileira que estão confirmados, como  Laura Muller, Marina Colasanti, Martha Medeiros e Roberto DaMatta; os cantores Fernando Anitelli, Saulo Fernandes, Bia Bedran,
   Foram criados oficialmente por meio da Lei 8.549, sancionada pela prefeita Rosinha Garotinho,os benefícios Credilivro e Notinha Legal. A lei foi publicada nesta quarta-feira  (7) no Diário Oficial (DO) do Município, direcionados a professores e alunos da rede municipal de ensino  e também autoriza o convênio entre o Poder Executivo Municipal e a Associação Brasileira de Difusão do Livro, para o incentivo à leitura e o aprimoramento do conhecimento dos profissionais do magistério.
   O Credilivro consiste na concessão de um crédito de R$ 80 para os professores da rede. A Notinha Legal, por sua vez, dá um crédito de R$ 10 para os alunos das escolas municipais. Tanto o Credilivro quanto a Notinha Legal deverão ser usados para a aquisição de obras literárias que estiverem à disposição nos estandes da 8ª Bienal.
   Acho justa toda tentativa de incentivar à leitura e  de aprimorar a capacitação dos profissionais de educação e um evento como esse é um pote de ouro para quem ama a leitura. Mas estou  inquieta,pois faltam 7 dias para o evento e nem temos uma programação definida o que dificulta planejar a ida dos alunos ao evento.Trabalho na biblioteca da Escola Municipal Santa Maria e por ser interior a dificuldade aumenta pois dependemos do transporte que virá de Campos e que também precisa ser agendado de acordo com as possibilidades ;digo com preocupação, que em outras vezes os alunos dependeram do transporte e ficaram arrumados e nada do bendito aparecer.Começamos a funcionar a biblioteca escolar no início do ano e com um trabalho de formiguinha me aventurei a promover leitores,fiquei impressionada como todos aqueles livros ganharam vidas e saíram viajando por muitas casas na localidade.Em 2 meses foram mais de 1.600  empréstimos ,para minha alegria  e realização.Percebo que estão contagiados e ao ficarem sabendo do evento ,ficaram com muita vontade de participar.O problema é que funcionamos do 2º ao 9º ano,no entanto a clientela é diferente,necessitando no minimo de 2 ônibus,pois nada mais justo os alunos que mais frequentaram a biblioteca terem a oportunidade de irem ao evento .Acho as leis ,o incentivo tudo válido,mas é preciso tecerem com cuidado a organização,para que o dinheiro investido atenda realmente quem necessita e mereça.
   A direção da escola necessita de uma liberação de verba destinada á aquisição de livros e a construção da sala de leitura,mas está difícil liberar,uma visão ampla é necessária quando falamos em projeto de leitura,os órgãos envolvidos precisam estar entrelaçados  para que as coisas possam realmente funcionar.
   Estou feliz com as presenças confirmadas,e realizada me sentiria se alguns exemplares dos escritores convidados chegassem  nas bibliotecas.Tenho tristeza ao confessar que na biblioteca da escola não temos nenhum livro da Martha Medeiros,embora muitos já tenham procurado,isso é injusto pois ela tem uma maneira especial de falar sobre sentimentos e relacionamentos,e de certa forma nos sentimos lesados.A Marina Colasanti é hoje sem dúvida,uma das mais importantes vozes femininas  da literatura brasileira.Sua produção literária abre-se num variado leque de opções,que incluem a prosa jornalística,o ensaio,a crônica do cotidiano,a poesia,o conto e o miniconto para leitores adultos;bem como a poesia,a novela e o conto para o público infantil e juvenil.,mas temos apenas um livro da autora e dois minicontos.Eu só acredito na leitura para mudar o mundo,mas a forma como a conduzem  não permite ficar calada.Programação:.www.bienalcampos.com.














sábado, 30 de março de 2013

6º Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica será em Campos



http://daterraparaasestrelas.blogspot.com.br/p/6-encontro-internacional-de-astronomia.html

6º Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica

Considerado um dos maiores eventos de divulgação científica do mundo, o Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica é realizado todo ano no mês de abril, em Campos dos Goytacazes.
Esse ano o evento chega a sexta edição com os seguintes palestrantes confirmados até agora:

- Marcos Pontes (primeiro astronauta brasileiro);
- Dr James Thieman (criador do projeto Radio JOVE, da NASA);
- Scott Roberts (presidente da Scientific Explorer);
- Pedro Russo ( Programa UNAWE - Holanda - Leiden University)
- José Funes (Diretor do Observatório do Vaticano - Roma - Itália)
- Carlos Gurgel (AEB - Agência Espacial Brasileira)
- Carlos Alexandre Wuensche (INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais)
- Gennady Saenko (ROSCOSMOS - a agência espacial da Rússia)
- Laurent Laveder (astrofotógrafo, criador do 'moon games'  - fotos brincando com a Lua - Projeto TWAN - França)
- Nazar Sallam (UAE - Emirados Árabes Unidos)
- Sebastián Musso (Presidente do Centro de Estudos Astronômicos de Mar del Plata - Argentina)
- Marcos Roberto Palhares (Agência Marcos Pontes).http://daterraparaasestrelas.blogspot.com.br/p/6-encontro-internacional-de-astronomia.html

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

AMPLIAR O NÚMERO DE DIAS LETIVOS NAS ESCOLAS NÃO RESOLVE O PROBLEMA DA EDUCAÇÃO

Texto da sindicalista Graciete Santana:

Comentário da blogueira:
O Ministro da Educação quer aumentar o número de dias letivos nas escolas - de 200 para 220 - como se o problema da educação pública fosse esse.

Uma coisa é a implantação da escola integral onde o aluno teria um atendimento completo para adquirir conhecimento e desenvolver suas potencialidades em atividades extracurriculares. Outra é aumentar o número de dias letivos e manter o descaso com a educação pública por falta dos investimentos necessários.

Hoje há uma luta nacional para que 10º do PIB seja destinado a educação. Atualmente este percentual é de 5º e as escolas públicas não reune condições para oferecer uma educação de qualidade.

Aumentar o número de dias letivos serviria somente para acelerar o processo de desgaste dos profissionais de educação que seriam obrigados a conviver por mais tempo com as mazelas da educação. Além disso, representaria a finalização do processo de sucateamento das escolas públicas do país.

Defendemos a escola em tempo integral como dizia o Professor Darcy Ribeiro "lugar de criança é na escola" entretanto, para que isso aconteça será necessário amplo investimento para estruturação das escolas. Esse negócio de 220 dias letivos é uma falácia do Excelentíssimo Ministro. Se aumentar dias letivos fosse o cerne da questão a educação brasileira estaria em outro patamar por conta da ampliação já feita de 180 para 200 dias.

- Exigimos respeito à Educação Pública e aos Profissionais de Educação;
-10° do PIB para a Educação;
- Escola em tempo integral para o aluno;
- Manutenção dos 200 dias letivos.

Abaixo leia matéria sobre o tema.


Matéria publicada no Jornal Folha da Manhã edição de 12/11/2011

Aumento de horas na escola e dias letivos aprovados em Campos



O aumento do número de horas do aluno na escola e a ampliação dos dias letivos, que estão em estudo pelo Ministério da Educação, tiveram aprovação em Campos. Mas, tanto o Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), quanto os diretores, acreditam que as medidas não surtirão efeito se não houver melhoria da estrutura pedagógica e administrativa das unidades escolares.

A diretora do Sepe, Graciete Santana, defende a permanência do aluno em tempo integral. Para isso, segundo ela, será preciso investimento. “As escolas necessitam, por exemplo, de laboratórios para que os estudantes tenham condições de desenvolver suas habilidades”, afirmou ela, contestando, no entanto, a ampliação dos dias letivos. “Isso não é garantia de qualidade. Aumentaram de 180 para 200 dias e de nada adiantou”, indagou Graciete.

Neiva Sampaio, que integra a equipe da diretoria pedagógica da Regional Norte Fluminense, também defende a permanência em tempo integral, mas com atividade extra curso. “O Governo do Estado está implantando nas escolas da rede o ensino médio integrado, que vai agregar o currículo normal ao profissionalizante. Ainda não temos a listagem das escolas que vão oferecer essa nova modalidade, mas as unidades do município, certamente, serão beneficiadas”.

Já a diretora geral do Liceu de Humanidades, Celina Mateus Barbosa, afirmou que aumentar o número de horas do aluno na escola é uma necessidade, como também mais professores e material. “A gente continua convivendo com a carência de profissionais e material pedagógico. Diminuíram de Geografia, por exemplo, de três para duas/semanais, assim como História, quando deveriam priorizar a carga horária de matérias básicas”.


Segundo o ministro da Educação, Fernando Haddad, atualmente, a criança ou o adolescente ficam 800 horas por ano na sala de aula, carga considerada baixa quando comparada a de outros países. “O aprendizado está relacionado à exposição ao conhecimento. Há um consenso no Brasil de que a criança tem pouca exposição ao conhecimento seja porque a carga horária diária é baixa ou porque o número de dias letivos é inferior ao dos demais países”, disse o ministro.
Postado por Graciete Santana às 14:46:00

sábado, 8 de outubro de 2011

Troca por Douglas da Mata




Pelo que li nos blogs da cidade, a prefeita-cantora resolveu encurtar o ditado, aquele que dizia: "Dêem-lhes pão e circo".

Com os salários aviltados, planos de cargos improvisados e com a dignidade reduzida pelo fato de que ser concursado quase virou crime na terra dos terceiros, a prefeita tira o pão, e em troca dá o circo.

Só isso justifica o show do cantor daniel na praça.

Em meio a uma crise institucional dessa envergadura, e ao descontentamento geral do funcionalismo, só pode ser sacanagem.
Mais um deboche de quem perdeu por completo qualquer compostura ou liturgia para o cargo que ocupa.

Bom, mas enquanto os servidores vão ao circo na praça, e ficam sem pão, alguns têm milhares de bons motivos de inexigibilidade para sorrirem.

E o palhaço do circo? Você, respeitável público e contribuinte.

Planície Lamacenta

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Supremo decide conflito de atribuição relativos a investigações sobre verbas da educação

"O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu quatro casos de conflito de atribuição entre o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público Estadual (MP Estadual) para apurar supostas irregularidades na gestão e prestação de contas de recursos do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério) em municípios de São Paulo.



De acordo com a decisão, cabe ao MPF apurar eventuais as infrações penais cometidas na gestão das verbas educacionais, mesmo que elas não envolvam repasses de dinheiro federal, uma vez que a política de educação é nacional e há evidente interesse da União na correta aplicação dos recursos. No âmbito cível, de apuração de ato de improbidade administrativa por parte dos gestores da verba, a competência somente se desloca para o âmbito federal se houver dinheiro federal envolvido (patrimônio nacional) ou caso haja superveniente intervenção da União na gestão das verbas.



O caso concreto, analisado por meio de quatro Ações Cíveis Originárias (ACOs 1109, 1206, 1241 e 1250), envolve verbas do Estado de São Paulo que teriam sido empregadas de forma irregular pelas Prefeituras de Jaciba, Mirassol, Pradópolis e Itapecerica. Diante desse fato, o Plenário assentou que é do Ministério Público do Estado de São Paulo a competência para propor a ação de improbidade administrativa contra os gestores das verbas recebidas do Fundef, hoje denominado Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), subordinado ao Ministério da Educação.



Esse foi o entendimento externado pela relatora das ações, ministra Ellen Gracie (aposentada), em agosto deste ano, quando o julgamento da matéria começou. Nesta tarde, votaram dessa forma os ministros Luiz Fux, Dias Toffoli, Cármen Lúcia Antunes Rocha, Ricardo Lewandowski, Ayres Britto, Celso de Mello e Cezar Peluso.



'A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é no sentido do reconhecimento da atribuição do Ministério Público Federal para atuar em matéria penal e pelo reconhecimento da atribuição do Ministério Público do Estado de São Paulo para atuar em matéria cível e de improbidade administrativa, sendo certo que, na improbidade, há o deslocamento da competência para a Justiça Federal caso haja superveniente intervenção da União ou diante do reconhecimento ulterior de lesão ao patrimônio nacional', sintetizou o ministro Luiz Fux hoje, que retomou o julgamento com seu voto-vista.



Somente o ministro Marco Aurélio divergiu. Para ele, se o caso é de serviço voltado à educação do estado, com verbas estaduais, e há desvio de conduta na prestação desse serviço, a competência para propor tanto a ação penal quanto a cível (de improbidade) é do Ministério Público Estadual. 'Na espécie, não está em jogo nem serviço público federal nem recursos federais, por isso eu peço vênia para entender que a atribuição para uma e outra dessas ações é do Ministério Público estadual', disse.



Preliminar



Apesar de acompanhar a relatora dos processos no mérito da questão, o ministro Luiz Fux iniciou seu voto levantando uma preliminar: a de que o STF não seria competente para julgar casos que não envolvam um real conflito federativo. Para ele, a análise de conflitos de competência entre o MP Federal e Estadual pelo Supremo é uma “vulgarização” da competência da Corte, que deveria somente analisar causas que dão ensejo a uma ruptura do pacto federativo.



De acordo com a alínea 'f' do inciso I do artigo 102 da Constituição Federal, compete ao Supremo processar e julgar originariamente as causas e os conflitos entre a União e os Estados, a União e o Distrito Federal, ou entre uns e outros, inclusive as respectivas entidades da administração indireta.



'O conflito federativo gravita em torno da ideia de que a lide pode criar uma ruptura da federação', disse. 'No que tange ao disposto no artigo 102, inciso I, alínea ´f` da Constituição de 88, a competência do Supremo Tribunal Federal se justifica para decidir sobre o equilíbrio do sistema federativo, para julgar causas que possam comprometer a existência do Estado brasileiro', afirmou. Para Fux, o pacto federativo somente se vê 'estremecido em razão de conflitos institucionais de grande significação e de cunho político'.



Assim, ele propôs que o STF não julgasse as ações por não ser competente para tanto. Entretanto, com exceção do decano da Corte, ministro Celso de Mello, os demais ministros mantiveram a posição atual do Supremo, no sentido de analisar esse tipo de conflito de atribuição.



Conforme explicou o ministro Marco Aurélio, 'não há regência da matéria na Carta (da República)'. Diante disso, o Supremo decidiu que, se o conflito ocorre entre o Ministério Público Federal e um Ministério Público estadual, e não entre Ministérios Públicos estaduais, a competência para analisar o caso é da Corte Suprema. Ele frisou que esse entendimento foi assentado pelo STF em vários pronunciamentos. 'Estou convencido de que essa é a melhor solução', avaliou."


Fonte:
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=191038

Postado por Cleber Tinoco às 15:07

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Novela mexicana em Campos dos Goytacazes na visão da sindicalista Graciete




Obs.:Segundo Graciete ela concorda plenamente com o texto sobre a novela mexicana porém ele é da autoria de Pedlovisk professor da UENF e sindicalista (ADUENF)

Baixaria dos pinks ,mais trinta dias com Rosinha e no contracheque dos professores veio descontando as faltas pela greve




Temos de um lado uma prefeita com prazo de validade de 30 dias e seus adeptos e de outro um povo aguardando a liminar cair e também esperando que o Ministério Público Eleitoral entre com um recurso contra a liminar em vigor e no meio,de muita baixaria dos pinks,suposta greve de fome,ameaças na Campos Difusora e adeptos até mesmo na Câmara ;os professores foram premiados em seus contracheques com o desconto de R$150,00 reais por lutar por seus direitos.A prefeita é cassada e uma parte da população faz greve de fome e os professores se unem(Nem todos,fiquei surpresa em saber que até uma diretora do SEPE furou greve) para conquistar seus direitos e a prefeita desconta os 3 dias avisados com antecedência e protocolados.




.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Carnaval 2010 - Santa Maria ,SAMBA , ALEGRIA , FANTASIA....

Abrindo meu espaço de blogueira à cultura local ।Recebi ,um e-maill de Miguel ângelo Neves,minhoca dessa Terra,professor não atuante,artista e produtor de eventos ,que não poderia deixar de publicá-lo .

Com a palavra ,quem entende do assunto....


Em meio a uma História obscura e carregada de interrogações , o Carnaval de Rua em Santa Maria sobrevive à 38 anos com muita garra , criatividade e samba no pé .
O verdadeiro Carnaval-Show nessa Cidade este ano ( como em todos os outros ) ficou mais um vez por conta do Desfile dos Blocos locais ( Bloco do Boi , Bloco das Piranhas e Mascarados ).
Com uma Cultura local riquíssima essa comunidade , ainda desconhecida aos olhos de nossos governantes ( atuais e anteriores ) , tem ainda muito a mostrar . Sobrevivemos ao processo de aculturação sem nenhum apoio do poder público ou sociedades privadas .
Uma comunidade que clama por Socorro e Atenção fazendo Arte através de seus membros , que driblam o descaso com que é tratada , com criatividade , bom humor e irreverência . Vamos sobrevivendo aos " Trancos e Barrancos " .
Nosso Carnaval de Rua é realizado com o esforço e apoio dos próprios Foliões da Cidade e Agregados .
Ouso sugerir a nossos governantes um Estudo mais aprofundado de nossa Cultura e com certeza um verdadeiro Tesouro será descoberto .
Nossos Princípios e Valores vão muito além de meros shows de " axé music " , ou bandas e fanfarras .
Santa Maria , abriga em seu Colo , Idosos , Jovens e Artistas que Clamam por Socorro .
Alegria , Alegria !!!
VIVA , SANTA MARIA !!!












































terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Convocação de Concursados


Graciete Santana Nogueira Nunes avisa:

Convocação de concursados!!!!
Data: Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010, 16:46


O SINDICATO ESTADUAL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO(SEPE), convoca os concursados de 2008 da Secretaria Municipal de Educação de Campos, para participarem do ATO PÚBLICO, nesta quinta-feira, dia 25, às 10 horas, em frente ao Palácio da Cultura.
Esperamos todos lá!
Graciete Santana
(22) 8819 1723 e 9937 6057

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Educação Pública em Campos:Pela convocação dos concursados de 2008,Já



Com a palavra a Professora e sindicalista Graciete Santana:

Os concursados de 2008 para a Educação de Campos, estão vivendo dias de ansiedade devido a proximidade da expiração do prazo de validade (dois anos) do concurso, que será em abril de 2010.

No final de 2009, muitos concursados procuraram o SEPE,e na ocasião o Prof.Amaro Sérgio, um de seus diretores,, acompanhou vários destes concursados à SMEC , a fim de reivindicar junto à Secretária, Professora Joilza Rangel, a prorrogação da validade do prazo do concurso por mais dois anos, como também o compromisso de convocar imediatamente os concursados.

A Secretária, diante dos presentes empenhou compromisso de atender a esta reivindicação. Vale lembrar que, a prorrogação da data de validade do concurso precisa ser publicada no D.O.do município. A necessidade de convocar os concursados existe,já que são muitas as vagas reais,senão as escolas do interior não estariam sendo fechadas, com consequente remanejamento de seu quadro efetivo.

PELA CONVOCAÇÃO DOS CONCURSADOS,JÁ!!!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Privatização da Escola Pública


Li Li no blog da professora Luciana:

"Parece ter virado um hábito classificar como precário tudo que é público, a conseqüência disso é a onda da privatização que assola agora também a educação de Campos.
Por trás disso também existe a velha intenção de exercer o controle quase que por completo de todo o sistema, tornando profissionais espectadores ou, o que é ainda pior, reprodutores.
A secretaria de educação agora “adotou” o sistema de ensino Expoente, para oferecer formação continuada aos docentes, materiais pedagógicos, portal da educação, software educativo.
Um projeto político pedagógico deve ser elaborado pela equipe, em conjunto com os profissionais que dele farão parte, isso também é gestão democrática, o que muito difere do atual “modelo” de gestão que parece ter sido adotado na SMEC, uma vez que nada foi falado sobre esse sistema ao qual chamam de suporte pedagógico.
O que está em questão não é a qualidade do serviço oferecido pelo sistema de ensino, mas devemos atentar para a intencionalidade das ações que o atual governo vem desenvolvendo.
Como pode-se fazer educação quando as decisões são completamente de cima para baixo?
Essa semana está sendo oferecida a Jornada Pedagógica, no entanto, no que tange à educação infantil e ao 1º ano do ensino fundamental (alfabetização), mais parece que estão buscando a preparação dos professores para a propagação de um sistema privado de ensino. As atividades giram em torno dos livros que serão oferecidos pelo sistema Expoente. É certo que o professor dá sentido, ou não, ao material que tem em mãos, porém com a adoção de um modelo de ensino, fecha as portas para discussões e questionamentos relevantes, afinal somos educadores e, portanto, seres dotados da capacidade criativa e argumentativa.
Trabalhar para a educação é construir, continuamente, novas possibilidades no campo do saber, não meramente reproduzir modelos ou digerir aquilo que nos foi lançado!"

Palavra da blogueira:
Lembrando também que O Sistema Expoente abrange a Educação de Jovens e adultos.
Tenho participado da Jornada Pedagógica e recebi o material que será oferecido pelo sistema que é destinado à 1ª fase e 2ª da Eja.O material somente não resolverá o problema do analfabetismo no Município principalmente por serem as turmas pequenas e existirem muitos alunos matriculados em outras fases da EJA que ainda não dominam o processo da Leitura e da Escrita e a dificuldade pois o professor ,no meu caso terei que dar conta da Alfabetização e da 2ª fase que corresponde a 1ª série onde os alunos já dominam a leitura e da escrita,continuando assim as multisseriadas.
Antes da Jornada Pedagógica o curso seria oferecido na parte da manhã e à tarde,mas houve reclamações da categoria então o curso passou para noite,percebendo que a categoria da EJa do interior havia ficado sem condições para comparecer foi providenciado um ônibus para Transportar os professores do interior.Mas parece que a categoria não entendeu e o ônibus tem estado à disposição e pouquíssimos profissionais estão comparecendo,impedindo um aprofundamento maior sobre o Sistema a ser implantado.
A escolha de turmas na minha escola já ocorreu e várias turmas estão sem professores de Arte ,Educação Física,Educação Religiosa,Inglês e Geografia.Estes buracos serão preenchidos por rets e aí eu fico pensando nos professores aprovados para o Concurso de 2008 que não serão chamados e nos professores que pegarão estes rets mas não participaram da Jornada.
Há muito tempo Clarissa Garotinho mostrou ser favoravél à
privatização das escolas públicas e estou achando que não serão chamados os convocados do concurso de 2008 pois pelo que vimos muitas escolas estão fechando e professores excedentes estão à mercê da Secretaria para serem enviados para onde for preciso.Talvez daqui um ano não teremos mais concurso se a categoria e esses concursados não se unirem para defenderem uma escola pública de qualidade.
A nossa guerreira da planície a professora Graciete já percebeu o caos sendo instalado.Agora gostaria de saber como a chapa 5 vencedora das eleições do SEPE se pronunciará sobre o asssunto e também a vereadora Odisséia e os outros vereadores se manifestarão.Quem sabe se unirmos as forças evitaremos o caos e até descobriremos onde foi parar o dinheiro do FUNDEB.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

O mistério do cofre rosa:FUNDEB




O site PMCG anuncia a destinação de R$ 142,7 milhões para a Educação em 2009, “mostrando” os gastos com salários dos profissionais, bem como os recursos destinados aos adicionais e ao auxílio alimentação. No entanto, não explica qual a porcentagem do Fundeb que deveria estar incluso nos salários dos educadores da rede municipal, já que 60% da verba do Fundeb deveriam ser repassados como remuneração a esses servidores.
Se todo esse “investimento” saiu diretamente dos cofres da prefeitura, onde está o dinheiro do Fundeb?
Até o momento nenhum esclarecimento foi dado, como se prestar contas de uma verba federal, ou qualquer dinheiro público, fosse um mero favor. Não podemos esquecer que o SEPE no dia 09 de dezembro de 2009 apresentou o recurso nº 2754/09 ao Ministério Público para maiores esclarecimentos.
Quanto a prefeitura destina de fato aos salários dos educadores?
Se a prefeitura paga os salários integralmente, qual é o mistério na matemática do Fundeb?
Alguém poderia esclarecer?
Vejam bem, o art. 22 da Lei 11.494/2007 regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB, para efeito da destinação ao pagamento da remuneração dos profissionais do magistério da Educação Básica em efetivo exercício na rede pública de, pelo menos, 60% (sessenta por cento) dos recursos anuais totais dos Fundos.
Portanto, não me venham com historinhas de que esse dinheiro foi utilizado para a melhoria na estrutura da rede municipal de ensino ou qualquer coisa do gênero, uma vez que há uma lei que regulamenta o uso correto desse recurso e destina 60% à remuneração do magistério!

Esse assunto já rolou na blogosfera em outros blogs e foi aberto um debate que para mim não pode ser encerrado.

Palavras acesas

Folha da Manhã no Blog da Odisséia


Professora Luciana questiona o SEPE

Renato pediu direito a resposta

Outros também falaram


A palavra do Digui



Palavra da blogueira:
Quanto a questão do mistério que gira em torno do cofre rosa :FUNDEB e o SEPE e a nova diretoria tenho algo a falar:Xacal faz falta nessa blogosfera mas ele mantem-se vivo ,mesmo depois de morto por isto grande parte do que aqui direi já foi dito em outras vezes.

Não poderia deixar de registrar aqui a palavra de Provisiano a respeito da eleição feita para escolher os representantes do SEPE:
"
Esse sistema de direção colegiada, em tese, é interessante, pois parte do pressuposto de que todas as correntes ideológicas, ficam representadas de forma proporcional aos votos obtidos no processo eleitoral.

Passa para o cidadão comum, a ideia de que a Democracia foi levada à sua forma mais próxima da perfeição. Pelo menos, Professora, é como em minha limitada visão, assim enxergo.

Como enxergo também que, esse tipo de representação paritária, pode ser uma forma dissimulada de se dar um "cala-boca", no grupo ou nos grupos, que são minoritários e que, na prática, foram derrotados no processo eleitoral e, que, ao comporem a direção, ficam eticamente limitados, quase que impedidos de fazer a oposição que poderiam fazer se não fizessem parte da direção.

É assim que enxergo, volto a repetir, dentro de minha visão limitada. Sou de uma escola antiga onde para nós, era tudo ou nada, liberdade e luta, era a nossa máxima, mas, certamente, dinossauro e jurássico que sou, devo estar equivocado em minha visão.

De toda a forma, adestrado pelo tempo, entendo que alguma representatividade é melhor do que nenhuma e, comer pelas beiradas, é uma tática que é válida, desde que quem come, não venha a ser cooptado pelo mainstream.

Sábio foi Confúcio que disse: "Senta-te a beira de um rio e verás passar boiando o cadáver de seu inimigo", ou seja, há que se ter paciência, as coisas não mudam do dia para a noite e a luta, a luta continua, companheira."



Já que entrei para a luta ... as antenas ficam ligadas quando o assunto é SEPE..

Acreditei que após esta eleição o SEPE teria tudo para reaproximar a categoria da rede municipal ao sindicato ,resgatando assim a capacidade de mobilização que tanto contribui para alcançar conquistas;muitos são os que da categoria que fazem parte do SEPE CAMPOS.

Eu acreditei que veria as nossas assembleias com centenas de professores da rede..mais alguns novos colegas cheios de coisas para falarem ...pois os novatos que aparecerem com certeza querem e devem falar.E a diretoria precisa estar unida pois os desafios são reais!

É essa categoria nova nos bastidores que poderá fazer muito e até mais do que muitos que ocupam o assento na direção!...

Nossa categoria anda oprimida,sem ânimo,é preciso animá-la e nosso companheiro e visionário de luta Maicon Bezerra já disse " O sindicato precisa estar com a categoria para que a mesma esteja com o sindicato. A permanente prestação de contas e a constante convocação dos profissionais da educação para viver a dinâmica da mobilização devem ser os princípios básicos da ação do SEPE-Campos. Para isto é preciso atitude e disposição de luta e organização, utilizando recursos que devemos construir e adquirir, como jornal, carro de som, portal na Internet, e etc..."

É importante lembrarmos que a companheira Graciete Santana Nogueira Nunes, líder sindical do SEPE, militante-dirigente do PCB, sempre demonstrou sua capacidade de lutar pelo que acredita, ...Concorde-se ou não com suas crenças políticas, uma coisa é inegável: Ela tem coragem...!

Antes mesmo de saber que faria parte desse processo eleitoral fiquei bem atenta quando li sobre as eleições do SEPE (bem antes das chapas serem formadas)e procurei guardar comigo algumas coisas para na hora certa compartilhar neste espaço.

Em Campos dos G., o SEPE acabou de encerrar um processo de eleições internas para definir seus novos dirigentes...A própria estrutura do SEPE, colegiada e proporcional onde não há um presidente, e os menos votados ocupam assentos na direção, na proporção dos votos obtidos, "exige uma cauterização das cicatrizes deixadas no processo eleitoral..."(XACAL).

A Democracia interna do Sindicato é mais saudável... embora abrigue um número não muito pequeno de tendências e facções,não impedem de alcançarmos importantes conquistas e mantê-las ...lógico que algumas tendências permanecerão,algumas irão quando as incompatibilidades forem irremediáveis, e outras se fundirão...

Acho que agora mais do que nunca não podemos deixar que a disputa por hegemonia do aparato partidário e sindical imobilize o SEPE com lutas fraticidas...Pois não é hora de concentrarmos energias em derrubar o adversário interno e sim de unificarmos em torno do inimigo comum externo...

Nesse contexto, é importante a atual direção sindical não fazer corpo mole frente a necessidade de unificar a luta pelos direitos da categoria e conquistar direitos que são de todos!É preciso conseguirmos enxergar além dos cortes políticos das nossas tendências e facções...

Tomara que o mistério do cofre rosa seja desvendado e que o SEPE tome isto como prioridade no momento ...

"Mas que fique claro: melhor a democracia interna que a obediência cega e "religiosa" aos "senhores feudais partidários"...!"(Xacal)


È preciso arrumar um jeito de mobilizar a categoria ,é urgrnte unir os profissionais da educação da rede municipal, professores e funcionários, ...marcar um evento.... um evento é sempre importante e é uma maneira de enfrentarmos o descaso,a manipulação e o autoritarismos do governo.

Pode ser que não haja tantas pessoas no encontro mas "política não se faz apenas com quantidade, porém muito mais com simbologia..."

É urgente despertar a categoria para comparecer às assembleias, arrumar uma maneira das nossas reivindicações se alastrarem por cada Escola municipal, quer seja com a reivindicação por melhores condições materiais e salariais, quer seja com o movimento eleição direta, diretor...e o desvendamento do mistério do cofre rosa:FUNDEB!

E aí representantes da categoria da Educação?
Quando conseguiremos falar bem alto aos ouvidos anestesiados da sociedade que o governo detesta a Educação pública, gratuita e de qualidade???

Quando diremos que não podem os mais trabalhar sob o jugo de diretores,indicados em esquemas de vereadores e cabos eleitorais???

Como se não bastasse, a atual direção do SEPE tem nos empurrado para paralisações esvaziadas, que nos têm levado a descontos em nossos contracheques e a nenhuma conquista. Não devemos nos iludir com propostas sectárias de mudanças, queremos reconstruir um sindicato forte, representativo, democrático, transparente, disposto a negociar e lutar por suas reivindicações.

Diga sim ao desvendamento que envolve o mistério do cofre rosa:FUNDEB

sábado, 21 de novembro de 2009

Da informação ao conhecimento


Há muito tempo temos comentado na blogosfera sobre o descaso com a Educação e lendo o blog do Diguinidade fico triste porque as coisas começaram um caos e estão terminando piores.
A escola deve ser um espaço de tratamento,organização e mapeamento de informações relevantes à construção de significados.
O principal objetivo da escola não é transmitir informações,mas conectar conhecimentos.
A escola é um espaço social em que a construção do conhecimento pode ser ampliada pela troca de saberes e de experiÊncias entre professores,demais funcionários e alunos.Em síntese,a escola é um espaço em que o conviver relaciona-se diretamente ao processo de transformação da informação em conhecimento e à construção de conexões entre os diversos saberes.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Ensino e educação de qualidade (!?)


--------------------------------------------------------------------------------

José Manuel Moran

Especialista em projetos inovadores na educação presencial e a distância

Texto publicado no livro Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica, 12ª ed. Campinas: Papirus, p.12


--------------------------------------------------------------------------------



Há uma preocupação com ensino de qualidade mais do que com a educação de qualidade. Ensino e educação são conceitos diferentes. No ensino se organizam uma série de atividades didáticas para ajudar os alunos a que compreendam áreas específicas do conhecimento (ciências, história, matemáticas).



Na educação o foco, além de ensinar, é ajudar a integrar ensino e vida, conhecimento e ética, reflexão e ação, a ter uma visão de totalidade. Fala-se muito de ensino de qualidade. Muitas escolas e universidades são colocadas no pedestal, como modelos de qualidade. Na verdade, em geral, não temos ensino de qualidade. Temos alguns cursos, faculdades, universidades com áreas de relativa excelência. Mas o conjunto das instituições de ensino está muito distante do conceito de qualidade.



O ensino de qualidade envolve muitas variáveis:

Organização inovadora, aberta, dinâmica. Projeto pedagógico participativo.

Docentes bem preparados intelectual, emocional, comunicacional e eticamente. Bem remunerados, motivados e com boas condições profissionais.

Relação efetiva entre professores e alunos que permita conhecê-los, acompanhá-los, orientá-los.

Infra-estrutura adequada, atualizada, confortável. Tecnologias acessíveis, rápidas e renovadas.

Alunos motivados, preparados intelectual e emocionalmente, com capacidade de gerenciamento pessoal e grupal.

O ensino de qualidade é muito caro, por isso pode ser pago por poucos ou tem que ser amplamente subsidiado e patrocinado.
Poderemos criar algumas instituições de excelência. Mas a grande maioria demorará décadas para evoluir até um padrão aceitável de excelência.
Temos, no geral, um ensino muito mais problemático do que é divulgado. Mesmo as melhores universidades são bastante desiguais nos seus cursos, metodologias, forma de avaliar, projetos pedagógicos, infra-estrutura. Quando há uma área mais avançada em alguns pontos é colocada como modelo, divulgada externamente como se fosse o padrão de excelência de toda a universidade. Vende-se o todo pela parte e o que é fruto as vezes de alguns grupos, lideranças de pesquisa, como se fosse generalizado em todos os setores da escola, o que não é verdade. As instituições vendem externamente os seus sucessos - muitas vezes de forma exagerada - e escondem os insucessos, os problemas, as dificuldades.


Temos um ensino em que predomina a fala massiva e massificante, um número excessivo de alunos por sala, professores mal preparados, mal pagos, pouco motivados e evoluídos como pessoas.
Temos bastantes alunos que ainda valorizam mais o diploma do que o aprender, que fazem o mínimo (em geral) para ser aprovados, que esperam ser conduzidos passivamente e não exploram todas as possibilidades que existem dentro e fora da instituição escolar.
A infra-estrutura costuma ser inadequada. Salas barulhentas, pouco material escolar avançado, tecnologias pouco acessíveis à maioria.


O ensino está voltado, em boa parte, para o lucro fácil, aproveitando a grande demanda existe, com um discurso teórico (documentos) que não se confirma na prática.. Há um predomínio de metodologias pouco criativas; mais marketing do que real processo de mudança.
É importante procurar o ensino de qualidade, mas conscientes de que é um processo longo, caro e menos lucrativo do que as instituições estão acostumadas.


Nosso desafio maior é caminhar para uma educação de qualidade, que integre todas as dimensões do ser humano. Para isso precisamos de pessoas que façam essa integração em si mesmas do sensorial, intelectual, emocional, ético e tecnológico, que transitem de forma fácil entre o pessoal e o social. E até agora encontramos poucas pessoas que estejam prontas para a educação com qualidade.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Educação na Coréia do Sul

Essa eu amei, da professora Monica do blog ensianar projeto de Vida:


Os melhores alunos do mundo. Não são superdotados. Deram a sorte de estar na melhor escola do país que tem o melhor ensino básico do planeta.
Veja o que faz diferença:Na sala de aula, tudo o que é preciso para educar com motivação.
São oito horas por dia na escola. Estressante? Não, é divertido, dizem eles.
Todos têm notas acima de oito. O segredo é nunca permitir que o aluno passe um dia sem entender a lição, diz a professora, que ganha o equivalente a R$ 10,5 mil por mês.
É a média na Coréia, onde os professores precisam ter curso superior e são atualizados e avaliados a cada dois anos. Se o aluno não aprende, o professor é reprovado.
Tudo isso num país que nos anos 50 estava destruído por uma guerra civil que dividiu a Coréia ao meio, deixou um milhão de mortos e a maior parte da população na miséria. Um em cada três coreanos era analfabeto. Hoje, oito em cada dez chegam à universidade.
A virada começou com uma lei que tornou o ensino básico prioridade. Os recursos foram concentrados nos primeiros oito anos de estudo, tornados obrigatórios e gratuitos, como são até hoje. O ensino médio tem 50% de escolas privadas e as faculdades são todas pagas, mesmo as públicas.
Bons alunos têm bolsa de estudos e o governo incentiva pesquisas estratégicas.
O fato é que logo depois da reforma da Educação, a Economia da Coréia começou a crescer rápido, em média 9% ao ano durante mais de três décadas. E hoje, graças à multidão de cientistas que o país forma todos os anos, a Coréia está pronta para entrar no primeiro mundo, tendo como cartão de visitas uma incrível capacidade de inovação tecnológica. Desde a área de computação até na genética.
(Fonte: jornalnacional.globo.com)

Paralização na Rede Estadual

Aviso da guerreira Gracieteem Palavras acesas:

Dia 21 de outubro a categoria da educação vai fazer uma paralisação de 24 horas. Neste dia 21 haverá uma nova rodada de negociação com a SEPLAG, às 11 horas. Antes, dia 14, haverá uma reunião com a Secretaria de Educação.

O secretário Sérgio Ruy, SEPLAG, vai apresentar na próxima audiência um estudo para a adoção do salário mínimo nacional como piso salarial para os funcionários administrativos.

Quanto aos profissionais de 40 horas, a SEPLAG informou que foram feitas várias simulações para o enquadramento desse setor no plano de carreira e ficou de apresentar uma proposta oficial no dia 21.

É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA A PARALISAÇÃO DO DIA 21 DE OUTUBRO. ESTAS QUESTÕES ESTÃO PENDENTES HÁ PELO MENOS 15 ANOS. SÓ COM MOBILIZAÇÃO E LUTA POR PARTE DA CATEGORIA É POSSÍVEL A VITÓRIA NA CONQUISTA DE DIREITOS.

É PRECISO OUSAR LUTAR, OUSAR VENCER!!!

Refletindo sobre o meio de transporte coletivo

Pensar sobre o meio de transporte utilizado na planície nos leva a refletir sobre o problema que tem afetado a quem o utiliza.
Passagem a R$1,00 é tudo de bom,mas não podemos ignorar os problemas relativo ao uso do mesmo.,pois esse tem deixado de ser eficiente,seguro e confortável e é necessário pensar em estratégias para diminuirmos deslocamentos dentro das cidades,reorganizando as moradias e as funções do bairro..
Moro em Santa Maria e o valor da passagem é R$11,45,embora a maioria pague R$1,00,o transtorno é grande pois o ônibus tem levado 4 horas de Campos à Santa Maria e tem apresentado o problema da super lotação,o ônibus tem quebrado com bastante frequencia e não faz nenhuma parada para os usuários ao menos ir ao banheiro.O ônibus tem lotado diariamente,pois moradores de diversos distritos embarcam no ônibus,como os de Guandú,Conselheiro,Morro do Coco...
A demora no deslocamento de um lugar a outro,a falta de segurança e o desconforto tem sido demais.
O que poderia ser feito?
De repente aumentar o número de Ônibus ou colocar ônibus direto para estes distritos mais distantes...
A falta de respeito tem sido demais......