domingo, 28 de junho de 2009

O assunto é...SEPE Campos 2...

Como já disse neste espaço, não entendo nada de sindicato,apenas não quero viver à espera de favores,prefiro lutar pelos meus direitos...e meu envolvimento com o SEPE começou logo após a professora Monica do Blog Ensinar - Projeto de vida iniciar a campanha para a Eleição Direta para diretores e vice-diretores de Campos dos Goytacazes ...foi querendo isso que procurei o SEPE e digo que muitos filiados ultimamente buscaram o sindicato pelo mesmo motivo.

Comecei indo às assembleias do Sepe e lá conheci alguns que representam a categoria e neste contato fui convidada para fazer parte de uma das chapas ..não nego que pela expectativa que me envolvia fui impulsionada a aceitar o convite.No início por insegurança e por não saber no que estava me envolvendo,questionei comigo e com alguns sobre inquietações que me afligiam...

Muito bem a eleição passou...minha chapa tem 26 componentes e estes foram subdivididos em 3 grupos...Dois destes terão 3 indicações e um apenas 2 representantes na direção...

A maioria que hoje ocupam cargos na direção,continuarão a acupá-los;fui comunicada por uma das componentes da chapa que ela estaria pleiteando a minha indicação,questionei de início se isso não deveria ser feito entre todos ,mas parece que em conversas informais já foi decidido que um não abria mão,outro teria o direito de indicar alguém e percebi que estava sendo envolvida nesta questão sem muito bem entendê-la...fico a pensar nos outros componentes que também fazem parte da luta e que não tem o direito de pleitear nada...não se sentiriam ofendidos em participarem de um jogo de cartas marcadas?Será que alguns foram usados por outros para atingirem os seus interesses?Você deve estar se perguntando o por quê do meu chororô se eu tenho possibilidades de fazer parte da direção.

Não poderia deixar de usar este espaço para comunicar minhas decisões,já que ele serviu de campanha por esses dias para a chapa da qual fiz parte.Não pretendo participar da direção no momento,pois nem uma licença sindical resolveria o meu problema:"O Tempo";pois sei que este terá que ser empregado para que a categoria seja representada como merece e a "nova direção" terá que se dedicar bastante para reaproximar a categoria do sindicato e confesso que sempre com expectativas vou para as assembleias do SEPE e como a professora Monica convoquei a categoria para a última que foi realizada na quarta-feira(24/04) e a falta de sintonia foi como um balde de água fria.

Eu não desisti da luta! Continuo nos bastidores e a minha preocupação é a mesma que invadiu a professora Monica.Veja o seu relato:

"...
Minha preocupação maior é: Será que todo aquele empenho de luta e ideal ficou depositado nas urnas?
...
De verdade tinha uma expectativa muito boa para essa assembleia, afinal acabamos de sair de uma eleição que, no meu ponto de vista, nos aguça a arregaçar as mangas e botar a mão na massa. Mas a realidade foi bem outra.

A proposta comum de todas as chapas era reaproximar a categoria ao SEPE, mas a categoria só se aproximará se acreditar e vir em sua liderança firmeza, determinação e principalmente compromisso.

(Confira na íntegra aqui.)

No mesmo dia encontrei com a professora Graciete e ela disse que havia feito um comentário em seu blog a respeito de uma postagem que escrevi "Sobre a eleição do SEPE" Palavras Acesas: COMENTÁRIO EM UM BLOG....

A respeito do comentário acima ,quero esclarecer que quando postei aqui no Blog sobre a eleição do SEPE, e afirmei que se a chapa 2, que corresponde a 5 em Campos, não ganhasse no SEPE CENTRAL não seria possível romper com os rumos que caracterizam a direção estadual é justamente por saber que apesar de todo esforço o SEPE não tem conseguido absorver com eficácia as políticas para os funcionários da Educação do Estado.Existe a desmobilizalção,este fato é real e isso prejudica e muito na conquista de nossos direitos.Não tem existido uma organização para este enfretamento,as assembleias não tem quórum,não são realizados encontros semestrais de funcionários e a luta por uma política salarial unificada entre todos os setores da categoria.

Muito bem :A categoria elegeu para o SEPE RJ as chapas 1 e 4 , com 71% dos votos, constituindo desta forma em maioria absoluta, ocupando 34 das 48 cadeiras, restando 14 cadeiras para as chapa 2 e 3, que continuarão sendo parte minoritária do SEPE RJ...mas daí a falar que esta gestão "têm garantido aos Diretores que representam estas duas chapas em Campos mobilizar a categoria para a luta no mandato que está terminando como também neste que se inicia " não é bem a verdade,a verdade é que não há uma aproximação da categoria com o SEPE ;se a culpa é "do grupo majoritário de Campos o NÚCLEO que fica no IMOBILISMO devido as ligações destes com o governo Lula e Cabral"(Como ela afirma)eu não sei ,eu só sei que nossas lutas tem sido um fracasso e nosso sindicato não tem exercido sua autonomia diante dos governos e partidos políticos e não tem defendido melhores condições salariais e de trabalho e por isso mesmo não temos uma Educação de qualidade.

O Sindicato não tem encaminhado nossas lutas de acordo com a vontade da maioria,pois não tem existido a participação maciça de professores e funcionários.

Infelizmente essa Democracia interna não está tão saudável assim ...pois o sectarismo,partidarismo e isolamento da atual direção do sindicato foi desfiliado da CNTE(Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) e embora discordemos neste ponto eu acredito que a CNTE e a CUT são entidades que representam no país a luta geral dos profissioanais da educação,protagonizam importantes discussões em nível nacional como o direito do Piso Salarial Profissional Nacional(PSPN),entre outras ações.

A professora afirmou que "diretores do SEPE defendem poupar o governo dessas cobranças", se infelizmente isto acontece...não deveria estar acontecendo pois a prioridade deveria ser os interesses da categoria.

A categoria decidiu num plebiscito a desfiliação do SEPE da CUT e daí o que foi feito?

12 comentários:

Xacal disse...

olá Hilda, como vão vocês aí em Santo Eduardo...?

acho que precisamos conversar...já faz tanto tempo...

vocês esqueceram de mim...sniff..!

Teca disse...

Hilda,

aqui com vc,
sempre!!

Beijus
!

Anônimo disse...

Teca isso foi uma declaração de amor?

PROFª LUCIANA disse...

É isso Hilda, admiro sua capacidade crítica e aquí é o espaço!!!
Bjos

KAUTSCHER disse...

Aos profissionais da educação que lutam diariamente na defesa de uma escola pública com qualidade social, democrática e popular.
À professora Gilcilene que, em um trabalho de verdadeira militante, escreveu e organizou esta cartilha materializando o convênio do projeto de extensão e de pesquisa com o SEPE/RJ.

O Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) e os Desafios da Luta de Resistência em Defesa da Escola Pública

http://sepenuceosaogoncalo4.ning.com/forum/topics/cartilha-do-seperjpde

Paulo Kautscher disse...

VISITE E PARTICIPE.

SEPE NA LUTA PELA EDUCAÇÃO.

http://sepenuceosaogoncalo4.ning.com/

Teca disse...

Hilda,

licença de responder ao "seu" anônimo?

Obrigada!



Anônimo:

Se afirmativa,
se negativa...
Não é de sua conta!!

E bom dia pra vc tb!

Anônimo disse...

Querido companheira, gostaria de convida-la a participar do meu BLOG.
http://oidosotemvozevez.blog.sport.com
Ficarei muito feliz em recebe-la.
Um grande abraço da amiga.
Fátima Beyruth

Professora Hilda Helena disse...

Xacal amado!!
Claro que não esquecemos de vc!!!Vamos marcar a conversa...

Teca:
Não liga não..tem pessoas que não são bem resolvidas...

Fátima:Não consegui acessar...

Kautscher:Obrigada pela visita..volte sempre...

Amada professora Luciana:

Como já disse entendo pouco do assunto ..sei que não é nada fácil negociar com o governo ...

Meu desejo é que nossas lutas (que são reais) sejam encaminhadas ao Sindicato e este represente a maioria da categoria e desperte esta para a militância ...É com a participação maciça de professores e funcionários que teremos conquistas...

Em tempo,informo que a definição dos que vão assumir a gestão vai ser definida ao final por uma reunião, mas que existem sim as preeliminares e as coisas também seguem o "peso eleitoral" ...

O que espero realmente é que os indicados para a direção representem bem as idéias e propostas da chapa...isto sim é fundamental ...

Sérgio Provisano disse...

Esse sistema de direção colegiada, em tese, é interessante, pois parte do pressuposto de que todas as correntes ideológicas, ficam representadas de forma proporcional aos votos obtidos no processo eleitoral.

Passa para o cidadão comum, a ideia de que a Democracia foi levada à sua forma mais próxima da perfeição. Pelo menos, Professora, é como em minha limitada visão, assim enxergo.

Como enxergo também que, esse tipo de representação paritária, pode ser uma forma dissimulada de se dar um "cala-boca", no grupo ou nos grupos, que são minoritários e que, na prática, foram derrotados no processo eleitoral e, que, ao comporem a direção, ficam eticamente limitados, quase que impedidos de fazer a oposição que poderiam fazer se não fizessem parte da direção.

É assim que enxergo, volto a repetir, dentro de minha visão limitada. Sou de uma escola antiga onde para nós, era tudo ou nada, liberdade e luta, era a nossa máxima, mas, certamente, dinossauro e jurássico que sou, devo estar equivocado em minha visão.

De toda a forma, adestrado pelo tempo, entendo que alguma representatividade é melhor do que nenhuma e, comer pelas beiradas, é uma tática que é válida, desde que quem come, não venha a ser cooptado pelo mainstream.

Sábio foi Confúcio que disse: "Senta-te a beira de um rio e verás passar boiando o cadáver de seu inimigo", ou seja, há que se ter paciência, as coisas não mudam do dia para a noite e a luta, a luta continua, companheira.

Forte e fratenal abraço.

Professora Hilda Helena disse...

Querido Sérgio:

È sempre muito bom quando você aparece por aqui,pois o debate acontece...

Com certeza esse sistema de direção colegiada e proporcional onde não há um presidente , e os menos votados ocupam assentos na direção, na proporção dos votos obtidos,proporciona uma Democracia mais saudável ...embora abrigue tendências e facções.

Também concordo com você quando diz que esta forma de Democracia foi levada à sua forma mais próxima da perfeição.

E eu acabei sabendo que muitas pessoas que compuseram as chapas conhecem bem, o processo e não só sabiam como não intencionavam, fazer parte da gestão, apenas "emprestaram" o nome por acreditar em concepção e propostas das chapas.

Como já disse o Xacal "O momento com certeza exige uma cauterização das cicatrizes deixadas no processo eleitoral..."...

Confusões,frustações,mágoas é normal ...o importante é contemplar e potencializar a energia militante de todos envolvidos...e conseguir enxergar além dos cortes políticos das nossas tendências e facções...

E como você disse a luta continua e a categoria necessita de representatividade para derrubar o o inimigo comum externo...

Forte e fratenal abraço.

Sérgio Provisano disse...

Cara Professora

Devo dizer que sempre visito o blog e, se às vezes, ao visitá-lo, me omito em postar algum comentário é porque não me sinto à vontade para comentar o tópico, por desconhecimento do que ali foi postado mas, sempre o visito para absorver conhecimento.

Acho mais do que interssante, aliás, acho fundamental a discussão sobre a participação dessa categoria que é fundamental na formação dos cidadãos e consequentemente da concretização da verdadeira cidadania, que é a categoria dos Professores (assim mesmo, com maiúscula, deveria ser uma norma ao se grafar essa profissão).

A Educação, sempre é bom repetir e ressaltar, é a base-mor para o crescimento, desenvolvimento e progresso de toda a nação que se diz civilizada e os profissionais que atuam nessa área específica de conhecimento, incluindo aí não só os Professores como também os outros profissionais que operam nessa área, têm que ser valorizados não só financeiramente mas, também em suas condições de trabalho.

Para isso, faz-se necessário mobilização, comprometimento com a luta paelas melhorias das condições de trabalho, que se dá, no campo institucional, dentro das organizações de classe, dentro dos sindicatos.

No que depender desse cidadão que vos escreve, esse apoio, mesmo que tímido, uma vez que não faço parte da categoria, estará sempre á disposição, pois, companheira, como disse, a luta continua!

Forte e fraternal abraço.